4 June 2012

Coisa pra se guardar

Queria começar dizendo que o texto é um pouco longo. Desculpas. Tenho mesmo dó de quem não suporta textos longos na internet, sobretudo em blogs. A impressão que tenho é que não gostam ou não levam muito a sério o que escrevemos, em terras desamparadas pelo crivo das normas técnicas. A lógica do pensamento deve ser mais ou menos assim: se não é um texto 'sério', 'científico', pra que perder tempo lendo, não é mesmo?
Claro que, em tempos de controles de caracteres sugestionados pelo twitter, venho tentando ser mais objetiva. Disse, tentando. A enxurrada de palavras e parágrafos saem nervosos de mim. Me atropelam, me vencem e daí me perco, me afogo.
Por outro lado, não posso me policiar se escrever pra mim é sinônimo de liberdade de expressão. Deve ser por isso que exagero tanto, quando preciso me libertar mais.
E, independentemente da seriedade ou não, aqui presente, as minhas narrações são todas resultantes de afetos. De situações, lugares e pessoas que me afetam. O enredo abaixo reflete uma afetação em grau máximo! Apreciem sem moderação...




A viagem programada pra Salvador foi exclusivamente para prestigiar o aniversário de uma amiga querida. Foi assim: maravilhosa!
É sempre muito bom estar com gente querida, com pessoas cúmplices de histórias divertidas, de juventudes saudáveis que fomos, e ainda somos. Felizmente mantivemos o sentimento que nos une e nos faz mais humanos: a amizade. Só por isso, já havia um milhão de bons motivos para nos reunirmos em grande estilo.
E como foi a festança? Ah, Mari pensou em tudo. Da entrada à saída, a recepção foi calorosa, amorosa, singela, doce, encantadora, colorida, com muito verde, coqueiros, flores róseas, velas acesas, taças, frutas, bombons, laços e enfeites. Comida deliciosa, bebidas para todos os gostos, música dos anos 80, dos anos 90, dos anos 2000. Mais pop que rock, mais pop que samba, mais pop que axé. Claro que dançamos "eu quero tchu, eu quero tcha". Uma delícia!
Com muito entusiasmo e alegria, abraçamos e fotografamos a noite toda, ao lado da aniversariante que estava literalmente iluminada, da cabeça aos pés. E não foi porque escolheu dourado. Ela estava incandescente mesmo, iluminando tudo por onde passava. Iluminando pelo olhar de felicidade que demonstrou por estar compartilhando sua história de grandes vitórias, junto com sua família linda e também com todos nós, amigos privilegiados, de longas datas.
Foi uma noite tão nostálgica quanto surpreendente. Ao lado de minhas amigas do século passado [detalhe importante] decidi curtir cada detalhe da festa, sem exagerar nas doses de espumante, justamente pra não me esquecer de nada,  numa clara tentativa de "segurar o tempo"  ou, lucidamente, guardar a emoção do reencontro tão esperado.
Ai, se eu pudesse, teria engarrafado esse momento mágico de estar ao lado dos meus verdadeiros amigos, ouvindo as nossas canções. Se eu pudesse, e se isso fosse possível mesmo, as distâncias não nos separariam jamais, e poderíamos repetir em doses homeopáticas essa alegria de estarmos juntos, de novo, de novo e de novo.
Quem foi, amou. Quem não foi, perdeu. Tudo estava impecável, lindo, gostoso. Como comentou um querido nosso, sem nem ter ido, "não poderia ser diferente, sendo a a aniversariante exigente e perfeccionista como é". 
A cena mais linda? Pra mim foi a hora de cantarmos o famoso 'parabéns pra você'. Seu Milton, o pai dela, demorou de aparecer para fazer parte das fotos, mas quando chegou foi recebido de braços abertos e palmas de todos nós, ansiosos. Em seguida, Mari o abraçou e também enlaçou sua mãe. Foi um abraço largo, grandioso. De reconhecimento. Do quanto sabe que deve a vida à eles, pais presentes e amorosos.
Uma sortuda!!! Aliás, penso que sortudos são todos aqueles que podem festejar a passagem simbólica de um novo ano de vida ao lado dos seus pais. Ninguém me viu chorar naquele momento tão alegre. Fui discreta e segurei as lágrimas, como agora não o faço mais. Esse é [meu] lado bom da escrita. Posso aqui me desaguar, que o texto aparentemente sairá sequinho!
É que foi  mesmo inevitável, enquanto os observava, imaginar essa cena acontecendo comigo, de como seria bom ter meu pai e minha mãe, juntos, quentes, me olhando nos olhos, comemorando comigo, me abraçando forte. 
E por essa emoção alheia, senti muito orgulho da minha amiga. Pelo sucesso que é, pela dedicação à família que tem, e pela simplicidade de ser assim, tão M de Mariana, e tão M de Mulher.
Parabéns, amiga. Que Deus te surpreenda com outros emes, em seus novos dias. Emes de Mil Maravilhas por Minuto. 
Agora, uma música bem piegas, mas que considero perfeita [e linda], de presente pra Você, pra Nate, pra Déa, pra Gê, pra Val, pra Dani, pra Gica. Para todos os meus amigos cúmplices, inesquecíveis e queridos. Saibam que, do século passado para cá, eu não seria nada sem vocês.


Amigo é coisa para se guardar
debaixo de 7 chaves,
dentro do coração,
assim falava a canção que na América ouvi,
mas quem cantava chorou ao ver o seu amigo partir,
mas quem ficou, no pensamento voou,
o seu canto que o outro lembrou
E quem voou no pensamento ficou,
uma lembrança que o outro cantou.
Amigo é coisa para se guardar
do lado esquerdo do peito,
mesmo que o tempo e a distância digam não,
mesmo esquecendo a canção.
O que importa é ouvir a voz que vem do coração.
Seja o que vier...
venha o que vier...
qualquer dia amigo eu volto pra te encontrar,
qualquer dia amigo, a gente vai se encontrar.

26 comments:

  1. Ju, se é uma pessoa que pode falar de amizade é você, sem dúvida. Pode e sabe. Fico feliz por esse seu 'momento lindo'.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Gica... vc faz parte de tudo isso! Ai, meu God, tenho que escrever um post dedicado a cada uma das minhas amigas... ainda bem que sou sem limites!!! risos... Bj

      Delete
  2. Bem que Déa já tinha me dito que você escrevia muito bem.... em 45 linhas descreveu aqueles momentos magníficos.

    ReplyDelete
  3. Realmente você conseguiu em 45 linhas expressar com exatidão o que foi aquele momento.
    Parabéns....

    ReplyDelete
  4. Eita que escrever de/para/sobre quem a gente ama só pode dar em texto grande, né?
    A festa deve ter sido linda mesmo e carregada de emoção.

    Um beijo pra Mari, a quem desejo outro M: o de Mãe.

    bjão, Ju.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olha só, Mari... segunda conspiração... Patiinha, no aniversário, duas disseram que eu e ela tínhamos que ter filhos... será mesmo que merecemos essa dádiva? Sei não, hein... um beijo amiga!

      Delete
  5. Parabéns Mariana pelo seu dia e data tão marcante na vida de uma mulher!!Parabéns a minha irmã,que descreve tão bem as emoções vivida,sobrevividas,sonhadas... a estas amigas que aprendi,como irmã ,a amar também!Ela diz assim pra mim:Irmã,eu não preciso de amigos novos.Já tenho os meus!como posse,sabe??Mas eh isso..a penso que a verdadeira amizade,depende sim ,de tempo para ser plantada,regada e finalmente,colhida!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Adoro quando aparece por aqui, minha irmã e grande amiga pra toda vida! Bj, mana!

      Delete
  6. Jujuba,

    Que texto lindo! Você conseguiu passar a emoção, o amor, o carinho, a atenção ... Chorei, dei risada, relembrei, ou seja, revivi muitos dos momentos passados só pela leitura. E você acertou: Eu estava radiante pela oportunidade que a vida me deu de comemorar uma data tão especial com a minha família e com amigos mais do que especiais. Obrigada!
    Beijos,
    Mari

    ReplyDelete
    Replies
    1. Mari que bom que gostou! Eu amei fazer parte desse momento especial! Beijo, amiga!

      Delete
  7. Tb li Ju, vc mais uma vez conseguiu demonstrar sua emoção através da escrita. Parabéns!

    Viviane C. by FB

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oi Viviane... obrigada pelos parabéns!! Volta sempre! Bj

      Delete
  8. Nossa amiga que texto longo... Rs!!! Consegui ler ate o final... Lindo!!! Vc realmente é uma escritora nata!!! Amei as palavras e amo fazer parte dessa historia!!!

    Valquíria C. by FB

    ReplyDelete
    Replies
    1. Eu te amo, ainda assim... preguiçosa! Risos...

      Delete
  9. Jú!!!!! Que texto grande!!!!! Cansadinha de ler... Kkkkkkkk

    Letícia S. by FB

    ReplyDelete
    Replies
    1. Você e Valquíria são duas preguiçosas... risos... beijo, amiga!

      Delete
  10. Lonnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnngggggggggggggggooooooooooooooooooooooooooooooooooo demais.....kkkkkkk
    Maiza by FB

    ReplyDelete
    Replies
    1. Risos... algumas amigas queridas são preguiçosas... risos... bj

      Delete
  11. Ju, vc como sempre me emocionando com suas lindas palavras!! Amei!!!
    E nao me cansei com a longa e prazerosa leitura!!! Kkkkk
    Bjs
    Andréa A. by FB

    ReplyDelete
    Replies
    1. Déa, querida... minha musa!! Bj

      Delete
  12. Adorei seu blog. E esse texto nem é grande, e mesmo que fosse, o blog é seu e você tem mais é que escrever o quanto desejar. Muito bacana essa declaração de admiração e amizade pela sua amiga. Me sentiria lisonjeado que alguém escrevesse um texto deses pra mim. Perdi meu pai e sinto mta falta dele, agora também invejo quem tem pai e mãe juntos. Bjs e bom feriadão.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Que bom que gostou... espero que volte mais vezes... passageiros novos trazem ânimo novo para blogueiros cansados de maus tratos... risos.. um abraço!

      Delete
    2. Oi, te achei no blog da Paty! :) Fico feliz que tenha gostado do meu! bjssss

      Delete
  13. Oi, amiga viajante.
    Permita-me discordar de você: não vejo nada de piegas nesta maraviha do Milton Nascimento. Essa sua amiga deve ser mesmo muito especial, para Merecer um texto assim - sensível e comovente. Um beijo e minha admiração.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ok... piegas pra uns. Pra nós dois, linda. Um beijo e muito obrigada pelo carinho!!! Bj

      Delete