26 November 2012

"O que sou, onde vou?"

Todos que me conhecem sabem que sou uma farsa. Tento não demonstrar muito, mas torna-se cada vez mais evidente que sou uma saudosista "de carteirinha". Mal vivo uma situação, já quero repeti-la, e, se possível, [também] na escrita. Agora mesmo comentei no blog de uma amiga que é tarefa impossível isso de blogar [com exatidão] sobre o que vivenciamos. Claro que não revivemos situações somente por lembrá-las enquanto escrevemos. O instante passado já foi. O seguinte é um mistério. Mas posso brincar que consigo. Esse é mais um ensaio.
Nesse exato momento em que escrevo, estou sentada no aeroporto de Porto Seguro, a cidade onde "Eu nasci aqui. Meu nome é Brasil". Por causa dessa homenagem tão apropriada quanto pretensiosa, eu quis fotografar essa placa logo na entrada. Não consegui. Quis fotografá-la na saída. Também não consegui.
O calor da emoção da chegada e o da partida, também não consigo congelar. Não consigo. Não consigo. Não consigo. Partir e chegar são torturantes. Um pela expectativa que acumulamos tempos antes, com o planejamento, agendamentos, ligações, trocas. O outro, pela própria dinâmica da vida: a distância é imperativa. Viajamos para estar em novos ou velhos lugares. Talvez com novas pessoas, novos ares. Talvez para encontrar queridos, rever e reconhecer antigas paisagens, antigos sentimentos. Uma viagem pode transformar afetos. "Fato" como afirmaria o meu dindo, cada vez menos menino.
E farta de boas lembranças, estou tão tristinha que nem pareço que ri e estive feliz por esses longos e últimos três dias. Penso que a separação é uma coisa doida. Muitas vezes necessária. Quase sempre dolorosa. Me separo do antes com pesar. Sempre. Sinto muito por estar separada fisicamente dos meus manos, de não poder presenciar o crescimento dos sobrinhos e curtir suas conquistas. Ou ajudar nas suas dores.
Fico definitivamente arrasada por estar separada da minha mãe, que teima [graças aos céus] em permanecer divertida, linda, gostosa, mesmo com o tempo correndo desenfreado, para ela e para todos nós, deixando suas marcas em nossa pele, em nossa memória que ora é boazinha e nos brinda com lembranças prazerosas, ora nos força a esquecer eventos inesquecíveis. 
Certamente por isso escrevo. Uma tentativa tola em "prender" o que não consigo segurar. O tempo mágico em companhia da minha família. As lágrimas teimam em cair. Pouco me importa se a maquiagem está borrada. Só queria mais tempo. Só queria estar mais perto. Não consigo. Não consigo. Não consigo.
A viagem em comemoração do aniversário da minha irmana Lila foi assim: leve, prazerosa, divertida, com gosto de verão, mesmo sendo para delimitar uma nova primavera para ela. Reunimos 11 em torno de um único propósito: comemorar a vida em família, com os que dedicamos amor incondicional.
Foi emocionante o nosso reencontro. Uns saíram do Acre. Eu de Maceió. Outros de Vitória da Conquista e de Itarantim. Conversamos muito. Degustamos sabores. Jogamos sinuca e dominó. Curtimos praias e falésias. Caminhamos ao por do sol. Reencontramos primos queridos da família do nosso pai. Partilhamos as novidades. Ah, fotografei os coqueiros daqui. E também o nascer do sol do dia de hoje. Veja abaixo, quanta lindeza!
Visão na balsa [de Arraial D' Ajuda para Porto Seguro]
E agora, depois das emoções vividas aqui, nesse pedaço de paraíso na Bahia, cá estou eu mais uma vez: sozinha, caducando para encontrar lógica nesse tempo que de novo nos separa e de novo nos convida a planejar novos encontros. E exatamente na madrugada do dia dela, nos deliciamos com show gratuito, na praça de Arraial D' Ajuda. Foi um momento único e especial com Vander Lee, que agora pode ficar 'preso' nesse bloguito, para me ajudar a exalar esse meu saudosismo, já tão evidente. Família, saiba que eu "morro de saudade e a culpa é sua". E eu? Ai, eu "corro contra o tempo pra te ver, eu vivo louca por querer você."


16 comments:

  1. É paradoxal. Ao mesmo tempo em que você nasceu pra viajar, há um sofrimento latente nessas idas e vindas. E devo dizer que eu também sou assim, embora viaje muito menos que você. Um beijo, minha amiga, e parabéns por mais este ótimo texto.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ah Marcelo... contradição é comigo!! risos... um beijo, querido!

      Delete
  2. Dilma, uma das manas26 November 2012 at 17:29

    Mana escritora que texto lindooo!!Desta vez vc nem "aumentou" nada.. vivemos bons e belos momentos, na nossa simplicidade e improviso,deu tudo certo!reencontros com mãe,manas, sobrinhos e primos queridos, conversas,caminhadas,por do sol per feito,shows ao ar livre e,pra todos os gostos,novas amizades,dias de sol,frágeis cachorrinhos,isso acho que só temos em Arraial,o metro quadrado mais legal da Bahia!!um bj Leu e, até breve.Fica na paz,também sentimos o mesmo quando nos despedimos!!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Love you, Bolinha... e quero um cachorro!!!!!!!!!
      D. Nalva é contra... kkkk

      Delete
  3. Ju, como é bonito tirar palavras das entranhas. Quase chorei tbm.
    Sei o qto esses momentos são preciosos pra vc, que vive longe dos seus, nem sei com aguenta.
    Mas é isso, vida que segue e a hora do encontro é tbm despedida.
    Mas o Natal está perto, olha que beleza!

    Um bjão.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Meu natal foi antecipado... risos.. não estarei com ninguém desse grupo dia 24... afff... mas tá tudo bem... beijo!

      Delete
  4. Neide Chaves, prima27 November 2012 at 17:44

    Oi Ju!! Que lindo seu texto! Estou emocionada, encantada,feliz por vc que com sabedoria escreve pra gente ficar assim...querendo mais. Saudades minha linda, beijos !!

    Via FB

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada, prima! Era pra gente ter se encontrado... apareça em Maceió! Bj

      Delete
  5. Nossa... Ju...
    que texto lindo...
    Estou sentindo isso tudo...
    com esta viagem...
    Cara, você consegue retratar todas essas dores de seres viajantes... de forma brilhante!

    Via FB

    ReplyDelete
    Replies
    1. Sua viagem será um sucesso!!! Beijo, amiga!

      Delete
  6. Momentos que ficam! Adorei!!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Trocentos anos depois... que delícia te reencontrar prima.. um dia vou te visitar na Suíça... risos... beijo!

      Delete
  7. Que texto bonito, Ju! De uma sensibilidade grande! E essa visão na balsa/ Que coisa incrível. Beijão e boa semana! Fique bem!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oi Sérgio! Obrigada pelo carinho! Arraial/Porto Seguro são dois lugares lindos, imperdíveis... visite quando puder! Beijo!

      Delete
  8. Quem foi que assim nos fascinou para que tivéssemos um olhar de despedida em tudo o que fazemos? (Rainer Maria Rilke)

    ReplyDelete
    Replies
    1. Que lindo pensamento Paula! Beijão!

      Delete