26 May 2013

uma viajante às avessas

Ela não curte mochilões pesados nas costas, portar garrafinhas de água mineral, andar muito por trilhas, afastar mosquitos, ficar suada, muito menos fazer parte de grupos de turismo. Com todo respeito pelos bons profissionais, essa viajante não suporta ser conduzida por guias. Também não tolera albergues ou hospedagens barulhentas, quartos sem ar condicionado, banheiro sem chave na porta ou água fria no chuveiro. Ama lençóis limpos, macios e nenhuma fresta do dia impondo sua presença, antes das 8h.
Claro que, quando viaja com amigos com suas câmeras fotográficas maravilhosas, vez ou outra faz pose. Mas nem se imagina posando em fotos ao lado de estatuetas, monumentos históricos, palácios, escadarias de igrejas antigas ou logomarcas de grandes grifes. Na verdade, as imagens que coleciona tem relação com instantes mágicos, coqueiros saltitantes, sorrisos e afetos.
Também não faz planejamento de roteiros para Europa, Ásia ou África. É do tipo que sabe quanto tem de moedas e cédulas na carteira, e também no banco, mas que não sabe economizar. Poupança? O que é isso??
Ela é aérea, romântica e se dispersa facilmente encantada com os lugares que visita. Lustres, diálogos ou abraços alheios. Gosta de dirigir por ruas e pistas desconhecidas. Nunca comprou um mapa. Até tentou usar o gps do telefone,  mas logo se irritou com as "ordens" recebidas por aquela voz estranha e mandona do aparelho.
Não a imagino em regiões montanhosas tipo Peru. Acha tudo bonito e ama ouvir histórias dos amigos que escalaram e chegaram ao topo. Experimentou, por pura sugestão dos queridos dela, a subida até a cachoeira da fumaça, em Lençóis, na Bahia. Mas não gastaria novos tostões em viagens para contemplar a natureza do alto. Acredita que novelas, seriados e filmes dão conta desse recado.
De igual modo, também considera as longas caminhadas totalmente descartáveis. Gosta de caminhar como esporte, com roupas adequadas e tempo limitado. Não mais que uma hora e não para conhecer parte histórica de lugar algum. É que os pés começam a doer e ela a reclamar das distâncias. Pode ser que, montada numa magrela, ou circulando de cavalo, carruagem ou táxi, ela vai curtir esses cenários, sem tantos choramingos.
Por falar nisso, entregue a chave de seu carro para essa moça. Pode ser até aquele modelo com o volante do lado oposto. Os olhos dela vão brilhar. E quem estiver ao seu lado, vai curtir momentos divertidos, inclusive porque certamente vão errar o caminho, seguir por lugares perigosos e ter que retornar muitos quilômetros. A trilha sonora, escolhida com carinho, irá acompanhá-los. E não se preocupe. Tudo dará certo ao final.
Importante revelar que ela tem um problema com bagagens. Não, não usa nada, super lúcida [careta para alguns] e muito menos faz tráfico de qualquer droga. É que costuma carregar sua casa junto. Não consegue diminuir o peso. Para se ter uma ideia do tamanho do estrago, recentemente resolveu que ia ser diferente. Numa viagem pequena, de apenas um final de semana, decidiu que levaria uma mochila. Claro, a mochila dela tem rodinhas. Não poderia não ter rodinhas.
Resultado da experiência da "nova" mochileira: no momento de fazer o check in o peso marcou 11kg. Não pôde levar como bagagem de mão, até porque já estava carregando o seu companheiro inseparável [notebook] e uma sacola cheia de presentes, seu tapa-olhos e um agasalho.
Essa tradição de sempre levar o apartamento consigo, tem lá alguma vantagem. Nunca precisou pegar emprestado roupas leves ou pesadas, botas ou havaianas. Ela é precavida. O tempo pode mudar e ela estará pronta. E, claro, há sempre ótimas promoções na esquina de onde se hospeda. E é assim: que sempre volta carregada de novos itens e de culpa, pelo vício do consumo e das multas por excesso. Isso. É sobre mim que escrevo. Amo viajar e prometo ser mais comedida, no próximo embarque.

21 comments:

  1. Ju por Ju... A viajante sem droga e sem distancias. Bjs

    ReplyDelete
    Replies
    1. É assim que funciono... e adoro!!! Beijo, amiga!

      Delete
  2. Sua cara, Ju!
    Adorei o texto e fiquei imaginando a cena com você reclamando das trilhas no Capão...kkkk
    É bom diminuir a quantidade de bagagem, pois dá mais conforto e mobilidade! Eu sou especialista em bagagens diminutas e nunca passei aperto, pois sou uma virginiana metódica e é difícil esquecer algo essencial.
    Beijos,
    Mari

    ReplyDelete
    Replies
    1. Pior não foi reclamar... risos... pior mesmo foi não comer carne vermelha, um carnaval inteiro... tempos de yôga... risos... foi massa! Beijo, amiga sabida e comedida... quando crescer vou ser igual a você!

      Delete
  3. Que texto gostoso e inspirador! Deu vontade de fazer as malas e viajar/passear!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Fecha e venha me visitar, amiga! Beijinhos!

      Delete
  4. Irmã....bom ter vivido com vc alguma destas aventuras..do excesso de bagagem...ao erro na entrada pra Porto(de galinhas)!!! Mas tudo dá certo no final.Importa o objetivo da viagem a que se propõe..e o que traz consigo no peito!! Um bj...e vamo continuar nesta viagem ...desejo muitas e muitas pra ambas!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. As entradas e as saídas... risos... problemas... risos... vamos viajar muito ainda!!! Beijo, mana!

      Delete
  5. Fiquei com vontade de viajar...
    Lindo texto!
    Beijos!!!
    Rosângela via gmail

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada, Ró! Viaja amiga!!! Beijo

      Delete
  6. Minha amiga viajante por ela mesma. Viajei junto em mais este auto-relato! Um beijo pra você.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ohhhhhhh que bom! Um beijo, querido!

      Delete
  7. Sou um grande desânimo ambulante no qusito viagens. Tenho uma preguiça... rsrsrs Mas dá pra ver que vc ama mesmo, Ju. Que delícia de postagem! bj

    ReplyDelete
    Replies
    1. Sérgio viajar é um luxo! Beijo, querido... obrigada pela leitura atenta, de sempre.

      Delete
  8. Oxi, perdi esse...

    Amiga, esvazia a mala e se manda pra Nova York. Tá na hora dessa viajante cruzar os mares.

    bjo.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Meu God.... mas e o doutorado? O que faço com ele? É pesado demais... creio que não mais conseguirei viajar nem para uma esquina, sem uma culpa do tamanho de um bonde! Beijo, amiga!

      Delete
  9. JÚ, estou aqui através do blog da Paty!

    Quando viajo, gosto de levar poucas coisas para não ocupar grandes espaços.Aprecio levar só o necessário mesmo!

    Beijos linda e parabéns pelo blog.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá, querida... que bom ter você aqui, também! Apareça mais vezes... beijo grande!

      Delete

  10. Olá JU,

    Estou vindo da Paty. Você vai sempre liderar o ranking da parceria por lá? rsrsrs.

    Já vi que, em termos de viagem, hospedagem e bagagem somos
    um páreo duro-rsrs.

    Beijos.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Que legal Vera! Volte muito mais vezes... vou conhecer seu espaço, também!! Um abraço e boas novas viagens!

      Delete
  11. Olá,

    Atraves do blog da Paty, eu vim conhecer o seu blog!

    A ultima vez que visitei minha mãe, no exterior, ela tomou um susto com minha bagagem: era pouca, muito leve. Eu levei o suficiente e não me arrependi. Contudo, claro, levar menos sempre corre o risco de faltar algo especial.

    Bjs

    ReplyDelete