26 August 2013

mais alma que corpo

Onde quer que eu vá, com quem quer que eu vá, possa eu ver a mim mesmo como menos que os outros, e do fundo de meu coração, possa eu considerá-los, supremamente preciosos.
Dalai Lama

De férias, com um controle remoto na mão e vários canais à disposição. Os dias passam lentos. Ou rápidos demais. Logo escurece. Mais tarde sinto mais frio. Amanheço querendo adormecer mais. Penso no que está à minha volta. Lembro [com saudade] da minha mãe e dos meus manos, tão distantes. Não consigo me separar da minha realidade. Tenho compromissos assumidos, com prazo de validade para o fim do mês. 
Ouço Cold Play tocar Fix you, insistentemente. Talvez querendo chamar a minha atenção. Talvez. Decido decifrar a letra e me deparo com a tradução do título que diz "consertar você".
Não sei se existem coincidências. Mas revi 7 anos no Tibet. E há um pouco disso, por lá, na mensagem do filme. Brad Pitt interpreta um famoso alpinista, egoísta aos extremos. E desenvolve a generosidade ao conviver com tibetanos. Tornou-se amigo de Dalai Lama. O filme é sutil. Os diálogos primorosos. 
Procurando algo que me prendesse, a carta narrada ao filho que não conheceu, me prendeu de imediato. Fiquei me imaginando escalando montanhas. Passando frio, fome, dores nos pés. Me imaginei com saudade de quem eu nem pude conhecer. Senti saudade do filho que não gerei. Do pai que perdi aos 12. E as lágrimas rolaram soltas, com meu consentimento. Me entreguei.
Fiquei extasiada com a história desse alpinista, tão bem contada num filme. Também me aproximei da religião budista. Sempre respeitei os budistas. Nunca me aproximei ou procurei entender como pensam o mundo. As palavras de Dalai Lama sempre me pareceram autoajuda, que sempre abominei. Mas quando um dos personagens falou sobre "não-violência", sobre "simplicidade", sobre "ajudar sem esperar retorno", ou "ser generoso", me identifiquei de imediato. Das lições, descubro que fiquei afetada com todas.
Me senti vaidosa, egoísta, intolerante, prepotente, e até mesquinha. É muito bom distanciar-se e repensar o meu caminho. Com o que ocupo meus pensamentos. De que forma atuo no mundo. Cada vez mais me preocupo com o que eu penso sobre mim. Se me agrido. Se agrido o outro, e como posso transformar essas coisas ruins em boas. Sei que é um caminho longo e cheio de atalhos falsos, que me seduzem. Mas é uma viagem longa e necessária. Maior que escalar Nanga Parbat, o 9º pico mais alto do mundo, sonho dos alpinistas. Pesquisando, encontrei essa citação [do ínicio]. Gostei do recado.


Citação da música Fix You, Cold Play, do Álbum X & Y (2005). 

24 comments:

  1. Que bonita e tocante reflexão, Ju! Adorei. Beijo.

    ReplyDelete
    Replies
    1. :) obrigada, Gica! Tomara que seja mais que isso... risos... beijo!

      Delete
  2. Não sei se é um dom arrefecer o coração, extrema e ríspida indiferença da ausência do encanto: de que era importante ter notado a presença de amigos, familiares, de si. "Gostei do recado", assustadoramente me veio apenas a convicção, quase vazia e tanto vã, de haver simplesmente andado por aí, sem ter sido tocado. Nas linhas de Jorge Luis Borges: "nada restará, senão recordações". Talvez. Bom... vamos despertar, que ainda há muito a ser feito e a ser preenchido.

    Cheiro.

    ReplyDelete
    Replies
    1. O recado é lindão... estou atenta, sim! Faz tempo... mas Jairo, penso que somos cheios de vazios. Um dos meus, e dos grandes, é a necessidade de me alimentar de fé, em algo maior, em Deus, em Buda, sei lá... preciso alimentar o meu espírito. Preenchemos e acolhemos outros tantos vazios! Obrigada pela visita e comentário, bem provocador... um beijo, querido.

      Delete
  3. Muito bom olhar pra dentro de si. É uma atitude que sempre gera boas reflexões e mtas vezes, mudança.

    Viva!

    Um bjo.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Opa... mudanças... é o que desejo ver em mim! Beijo, amiga!

      Delete
  4. Como é bom parar e refletir sobre os caminhos que devemos tomar na vida. Melhor ainda quando somos nós que escolhemos fazê-lo e não forçados pelas circunstâncias da vida.
    Beijo Ju, lindo texto

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada, Paula! Sei que quando gosta, gosta mesmo... risos.. beijão!

      Delete
  5. As férias têm essa virtude (pelo menos, é o que a gente espera delas): proporcionar momentos de paz para um mergulho interior. Bons ou dolorosos, eles são fundamentais. Aproveite bastante esses dias, amiga viajante! Um beijo.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Está sendo exatamente assim! Beijo, querido. Obrigada pela leitura e carinho.

      Delete
  6. Olá!!!, Deus te abençoe, amiga é muito bom descansar e recuperar os tempo perdido, o seu blog é maravilhoso continue assim, S-U-C-E-S-S-O
    Já estou te seguindo, aguardo a retribuição.
    Canal de youtube: http://www.youtube.com/NekitaReis
    Fanpage: https://www.facebook.com/pages/Batom-Vermelho/490453494347852?ref=ts&fref=ts
    Blog: http://arrasandonobatomvermelho.blogspot.com.br

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá.

      Obrigada pela visita. Te visitarei, claro! Beijo.

      Delete
  7. Não pude deixar de me interessar pelo seu texto, então minha quase missiva que agora esvai fisicamente dos meus trêmulos dedos quer falar sobre o medo do passado. Segundo Oscar Wilde "O tempo e o espaço, a sucessão e a extensão, são meras condições acidentais do pensamento".
    Amiga, hoje me encontro fora das terras tupiniquins, assim como você, minha ‘paixão’ é viajar é navegar em mares que mesmo ‘craudiados’ me transportam a novas emoções. Não me arrependo de nada e me orgulho de tudo. Um dia perdi um amor por justamente gostar das mesmas coisas que ela gostava, então ela disse “basta” e eu entendi.
    Aqui são 08:30am, estou sentado embaixo de um coqueiro baixo e admiro o mar com outros olhos, os teus olhos. Passei cinco dias em Maceió antes de viajar, gosto dessa cidade como se minha fosse, aliás, talvez seja. Senti saudade e senti medo.
    Parabéns por tudo o que você derrama lindamente em seu blog e pela mulher especial que tenho certeza que és e eu sei, pois foi assim...

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá visitante-viajante! Pena não ter me deixado o seu contato. Gostaria de conhecer mais sobre suas aventuras e conquistas fora do Brasil e também os seus textos. De todo modo, estou aqui, esperando por novas visitas. Muito obrigada pelas palavras. Esse retorno me incentiva a continuar escrevendo. Um abraço e bom domingo de sol por coqueiros baixos... Fiquei curiosa...

      Delete
  8. Amiga, tire suas sandálias e relaxe, pois vou lhe contar uma historia é uma historia cheia de lugares, paisagens, eternos diálogos, mas somente dois personagens. Quando me sentei naquela tarde no saguão do aeroporto, tentava terminar um poema que há meses procurava a frase que o completaria, era um poema que falava de um poeta a sua relação quase carnal com seu instrumento musical, confesso que nunca imaginei que esse poema se tornaria tão tangível e que me acompanharia por anos. “O amor, enquanto amor, nunca se esgota e se manifesta tanto melhor quanto mais poeticamente é sonhado”. 1
    Hoje pela manhã enquanto eu quase transava com meu violão sob um coqueiro baixo e escrevia algumas linhas que a ti eu dediquei me lembrei daquela tarde no saguão e de tudo o que aconteceu, então terminei o poema, segue abaixo o final que demorou anos para nascer, gravidez longa..rsrss...

    ...Estás grávido
    Grávido de melodias
    E de tuas crias, sou eu pai.
    Posto que lhe possuí
    Lhe possuí em música
    Em poesia, em som...

    Você foi com certeza minha inspiração, tenha um ótimo domingo!

    1.Gaston Bachelard

    ReplyDelete
    Replies
    1. Quanta lindeza e quanto mistério... risos... já nos conhecemos?? Me diga como chegou até a mim. Lindo mesmo o seu poema e essa citação de Bachelard. Engravidar de textos [ou sons] é mesmo uma dádiva para os afortunados e sensíveis... tô, nesta fase, tentando parir uma tese e louca para aprender a tocar violão.... um abraço!

      Delete
  9. Amiga, aguardarei até que escreva seu próximo texto para continuar a narrar as aventuras de nosso poeta, pois acredito que quando nos privamos da ilusão tudo fica muito monótono.

    Boa noite!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Concordo. Fique à vontade! Abraço.

      Delete
  10. Reflexão bonita e triste ao mesmo tempo. Aliás, como a música Fix you. Eu ouço muito também e amo Coldplay. Mas as músicas deles são combustíveis para uma boa fossa... Bjsssss

    ReplyDelete
    Replies
    1. Triste, triste, triste... risos... estou bem animada com a possibilidade de me elevar... a música também ajuda! Bj, querido.

      Delete
  11. "...Lights will guide you home

    And ignite your bones

    And I will try to fix you..."

    ReplyDelete
  12. Naquele dia, quando ele dialogava com a manhã invernal seus sonhos e desejos o tornaria mais frágil, não pelo simples fato de estar sozinho, mas pelo fato de estar sem ela. Quando ela era apenas uma simples menina que levitava por lugares desconhecidos ele foi tão forte a ponto de quase tocar o amor, mas ela estava tão distante.
    - Meu Deus! Por onde você anda, e o que fez com nosso amor?
    - Eu, apenas amei...

    ReplyDelete