14 December 2013

"pensando em você"

Hoje acordei antes das seis. Revirei na cama. Vi que ainda era madrugada. Era mais cedo ainda. Menos de cinco, já que o relógio do celular está adaptado ao horário de Brasília. Não me incomodei. Prefiro acordar sem pressa. Prefiro estar adiantada que atrasada. Mas não fiquei pensando nas horas. Nem no quê iria fazer tão mais cedo. Pensei nele, no dia dele.
Uma vez recebi uma mensagem-declaração, de um suposto apaixonado por mim, que terminava cada descrição com a expressão "pensando em você". Ele descreveu, poeticamente, todo o tempo dele, da madrugada até o momento de conseguir parar pra escrever, que esteve longe de mim, mas pensando em mim.
Fiquei comovida com a atitude dele, que me dizia não gostar de escrever textos longos.  A carta virtual estava carregada de sensibilidade e sentido de cumplicidade que havia entre nós dois. Fiquei triste ao constatar que não teríamos uma chance real de vivermos aquele romance. O destino nos negou essa chance.
Hoje pego emprestado esse "pensando em você", não para falar dele, ou do que sequer existiu entre nós dois. Isso ficará guardado a sete chaves e certamente nos reencontraremos num eclipse lunar, em outra existência, em outro tempo. Tenho essa certeza comigo.
Diferente desse suposto encontro do futuro, o meu pensamento ao longo do dia foi em meu pai. Fugi bastante, mas cá estou, mordida pela isca da saudade. E foi assim:

Após fazer tudo no automático [me levantar, molhar plantas, colocar roupa na máquina, preparar o café] detive o meu pensamento em você.
Resolvi deixar a casa pronta para o evento de confraternização. Arrastei móveis, retirei a poeira, decorei os quatros cantos da casa. Deixei o pisca-pisca arrumado. Retirei as taças, lavei tudo. Coloquei um dvd de Maria Bethânia. Mesmo nesse vai-e- vem, eu não consegui parar de pensar em você.
Lá pelas tantas, com fome, eu resolvi tomar um banho e sair para almoçar e também comprar os últimos itens para a festa de logo mais e [caí na besteira] checar as novidades pelo mundinho azul. E não houve outro jeito. Quando me dei conta dos aniversariantes, eu tive mais uma vez que pensar em você. O choro começou nesse momento, e dura até agora.
Penso em você, tão ausente em meus dias.
Penso na tristeza que é estar em seu dia e não poder te dar um abraço forte. Penso que já faz 31 anos que perdi o direito de conviver com você, meu velho. Penso o quanto isso me angustia. Penso o quanto sofro com a sua partida.
Quem lê essas linhas tortas, pode [até] concluir com pressa: "isso é um caso para psicanálise" ou "essa pessoa precisa livrar-se desse complexo de eléctra". Bem, eu não me incomodo com o que pensam, ou com o que dizem, ou com o que falam de mim. Mas tenho certeza de que não sinto falta de Freud. Sei bem do que sinto falta. Aliás, nós todos da família sabemos.
Morreu aos 52. Partiu cedo demais. Nem conheceu seus netos. Não comemorou as conquistas de cada um de nós. Nem pôde cuidar do seu caçula. Nem da sua caçula, que hoje chora feito criança.
Pai, eu penso em como seria maravilhoso que [ao menos] você me visitasse nos sonhos. Talvez eu nem acordasse [tão] cedo...

19 comments:

  1. JU, tente não sofrer por isso, a saudade não precisa vir acompanhada da tristeza. Preserve os momentos bons e imagine que seu pai está feliz pelo sucesso de vcs e pela família linda que ele deu início e vcs continuaram.
    Gosto de uma frase espírito que diz que "A saudade dói dos dois lados". Se vc sofre, a caminhada dele lá, fica mais difícil. Seja forte!
    Um beijo no seu coração mole.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Não consigo, ainda... um dia, quem sabe? Beijo, amiga!

      Delete
  2. O pai é o primeiro amor de nossas vidas. Te compreendo Ju. Beijo

    ReplyDelete
    Replies
    1. Beijo, Paula! Obrigada pela compreensão... risos

      Delete
  3. Osvaldo via gmail15 December 2013 at 22:32

    Querida Jusciney,

    A minha filha, que chega nos próximos dias, vem me deixando um chorão. Mas a culpa de agora é do seu texto!

    Abração,

    ReplyDelete
    Replies
    1. Oi Osvaldo, muito obrigada pela leitura.

      Choramos muito, então... e você, que felicidade, por uma nova vida que estás responsável, juntamente com Kátia!

      Aproveito para desejar um final de ano maravilhoso para todos vocês!

      Abraços.

      Delete
  4. Bonito. Obrigado pela lembrança e meus sentimentos pela saudade do seu pai...

    ReplyDelete
  5. Mana Dilma via FB15 December 2013 at 23:02

    Tive dificuldades em postar no blog...mas senti muito,apesar de estarmos envolvidas com a mudança de D.Nalva.Ele sempre fará falta...mais ainda aquele olhar de proteção ,zelo,amor e de posse sobre cada um!!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Ele faz muita falta!!! Precisamos cuidar e zelar da nossa mãe... isso já estamos fazendo... beijo, mana!

      Delete
  6. Como te falei antes, sou seu fã.....

    ReplyDelete
  7. A mensagem ao seu velho me fez pensar no meu... valeu, amiga viajante. Um beijo grande.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Somos 2 sofredores e saudosos... beijo!

      Delete
  8. Juba, chora não! Seu painho tá por perto, pode crer ;) Bjss

    ReplyDelete
    Replies
    1. Está sim... eu imagino que sim. Aí é que me dá vontade de gritar e de chorar.... ): beijo!

      Delete
  9. Perdi meu pai em 2004 e te entendo perfeitamente. Nem tenho o que dizer... bj

    ReplyDelete
    Replies
    1. Mais um cúmplice... vida esquisita essa nossa, de remoer feridas, né? Estejamos em paz. Beijo!

      Delete
  10. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita
    Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido também o seu blog. Deixo os meus cumprimentos e saudações.
    Sou António Batalha.

    ReplyDelete