18 March 2019

debate sobre cotas chega ao Arquivo Público de Alagoas

Com muito prazer divulgo esse convite para quem puder participar da edição mensal de março de 2019, do projeto #chádememória, organizado pela Academia Alagoana de Educação, em parceria com o governo do estado.
Após o lançamento do meu livro, e dos muitos relançamentos subsequentes, desta vez farei uma análise conjuntural sobre a educação superior brasileira, com recorte para Alagoas, partindo da pesquisa realizada entre 2012 e 2015, refletindo sobre o contexto das políticas afirmativas no governo atual, destacando que as cotas sociais e sobretudo as raciais, somente deixariam de fazer sentido num Estado que privilegiasse a educação pública como estratégia para estimular a mobilidade social da nossa população, majoritariamente formada por pretos e pardos, totalizando 55,4%, segundo os  dados mais recentes do IBGE (2017). E vai rolar venda do livro pela Edufal, sim! 
#vamosaodebate 
#cotasSim 
#lutecomomarielle

 #tempretodejalecobranco

14 March 2019

a sociedade brasileira e a educação pública

Velórios coletivos são tendência no nosso país.
A cultura da violência está intimamente ligada à concepção de sociedade que vem sendo moldada pelas nossas mazelas, pelas desigualdades sociais e étnico-raciais. 
Também pelo projeto de estado que estimula a competição, o individualismo, a vaidade e o porte de arma da população e, com isso, estimula a banalizar a injustiça social e, de forma direta, desqualificar a escola pública.
Esse modo de conceber a vida em sociedade diminui drasticamente a possibilidade da educação ser a via mais concreta para transformação social. 
Aqui ou acolá, na história da civilização, a educação, deveria continuar ser a área mais priorizada para contribuir para o desenvolvimento humano e pacificar nossas gerações de crianças, jovens e sobretudo dos velhos burros que (infelizmente) estão no poder, e, em tese, teriam essa chance de mudar o rumo das coisas, embora aparentam que não aprenderam foi nada sobre humanidade. 

5 March 2019

antes e depois do glitter

Sabe a diferença do carnaval de rua para o carnaval das elites e das redes sociais? 
O povo aqui não é robotizado, não copia e cola manchetes que sequer checam a veracidade.
O povo com samba, frevo, maracatu, axé ou qualquer ritmo no pé, denuncia as fake news e a onda de corrupção. 
Denuncia o fanatismo político. 
Denuncia a farsa do rombo na previdência.
Denuncia o laranjal do PSL.
Denuncia a impunidade.
Denuncia o racismo.
Denuncia a homofobia.
Denuncia o machismo.
Denuncia o golpe parlamentar que estamos vivendo.
Denuncia a mídia, cúmplice dos mal feitores.
O povo nas ruas grita e exige escuta até de quem não quer ouvir. 
O povo insiste em dizer o que incomoda, sem medo de ser feliz.
Isso é desobediência civil. 
Isso é o que sobrou da nossa frágil democracia.
Isso é o bom combate.
Isso é resistência. 
Isso é #MarielleFranco, mais viva que nunca.
Isso é parte do legado #Lula, mais livre e mais gigante que antes. 
O nome disso é liberdade de expressão. 
É descontentamento.
É também alívio.
E é alegria, porque nos estimula a expulsar a opressão que vivemos, usando nossos corpos e nossas vozes como formas de protestos. Nada de armas nas ruas!
Bom estar presenciando isso porque eu estou e faço parte dessa luta nas ruas neste carnaval!

Parabéns às escolas de samba Mangueira e Paraíso da Tuiuti e aos brasileiros e as brasileiras, de norte a sul desse país, que aproveitaram essa festa POPULAR para exigir o compromisso histórico com a verdade, nua, crua e lindamente fantasiada. ❤️

1 March 2019

que o amor prevaleça

Toda morte nos coloca em alerta sobre quem somos, sobre quem nos tornamos com o passar dos anos... e sobre como precisamos nos acostumar com um fato muito doloroso: a vida é um piscar. Somos impotentes. Isso não muda, embora gostemos de milagres.
A gente se apega a tanta besteira, deixa de dar atenção e valoriza tão pouco as pessoas com quem convivemos! Tudo em função do tempo dedicado ao trabalho e às nossas muitas vaidades. Tudo é matéria? Não. Tudo evapora. Tudo se vai.
Aos 49 já entendi que, diante das minhas escolhas, eu não tive como gerar outra vida. Mas sou aquele tipo de ser humano que sofre pela dor alheia, como se mãe fosse.
É uma dor abstrata, intensa. E como a gente consegue se reinventar, para vida fazer algum sentido ou voltar a ter alguma graça, após a partida de um alguém que muito amamos?
A empatia nasce com a gente? É do ser humano ser solidário? Deveria ser de nascença.
Todo ser humano, a despeito de qualquer condição, deveria sair do seu umbigo e se colocar no lugar do outro. Esse é um exercício que nos humaniza.
Lula tem que ir abraçar o filho. É um tipo de elo, de amor, que nunca deveria ser impedido.
Que o abraço e o silêncio nos libertem das nossas mazelas e dos nossos egoísmos.

16 February 2019

o céu em festa no seu dia

Hoje eu acordei, depois de uma noite com insônia, e lá fui eu conferir os aniversariantes do dia.
Isso faz parte da minha agenda diária: espalhar afeto a quem me afeta. Dar os parabéns a alguém de quem gosto é como reafirmar o compromisso com a lealdade.
Ser leal significa legitimar cumplicidade, estar perto na dor e na alegria. É um vazio imenso não fazer um textão pra minha amiga que hoje completaria 56 anos.
Ela amava me ler! Cobrava mais escritos. Dúzia de vezes dizia que me considerava “uma das escritoras mais sensíveis”.
Saiba que eu amaria escrever pra você me ler hoje, minha irmã de fé. E gostaria de poder te dar um abraço, saudar sua nova primavera, aquariana com ascendente em peixes.
Queria te falar da minha saudade da nossa convivência, de enfrentarmos nossos infernos astrais de mãos dadas, de poder festejar sua data e planejarmos a minha, que está quase na esquina. Mas quis a vida terrena deixar você partir. É um lamento que faço principalmente quando estou muito feliz. E aprendi que devo celebrar chegadas e não partidas. É mais animador. Por isso, agradeço de novo e sempre muito por nossos quase 8 anos de amizade, aprendizados, alegrias e partilhas, creio eu, por sermos tão diferentes.
Espero que esteja descansando, num lugar de  leveza, luz e magia, como você merece. Que esteja dedicada a cuidar dos seus, acompanhando, com aquele seu brilho nos olhos, a sua netinha em suas conquistas e peraltices.
Com amor de quem sempre torceu por sua paz. ❤️

9 February 2019

culpados não existem?

Na nossa vida privada, assim como na vida pública, a morte está sempre a espreita. É bem verdade que é a única certeza: todos iremos morrer, mais cedo ou mais tarde. 

22 January 2019

os ruídos nos silêncios

a procura instiga
o toque acalma, excita, empolga, enlouquece
o beijo demorado alonga o afeto
o sussurro altera o lugar dos pelos
os corpos amolecem, enrijecem
o pensamento só se repete - que vontade é essa que não passa?
que desejo é esse que só cresce?
por que tudo pulsa, tudo insiste?
corpos em movimentos
tramas de teias a sós
construímos nós
são nós ou nos tornamos nós?